Entre sorrisos

Olavo de Carvalho

Diário do Comércio (editorial), 05 de fevereiro de 2008

Alguns anos atrás, quem dissesse que o PT estava levando o Brasil para o socialismo era instantaneamente carimbado como extremista de direita ou como doente de paranóia persecutória.

Agora, o próprio sr. Tarso Genro aparece dizendo isso e os mesmos carimbadores de outrora aceitam tudo com uma complacência admiravelmente beócia, como quem dissesse: “Pensando bem, o que é que tem de mais? Talvez o socialismo não seja tão mau.”

A ameaça que ontem parecia demasiado ruim para ser verdade tornou-se uma banalidade inofensiva, anunciada entre sorrisos e recebida com solicitude paternal.

No entanto, o sr. Tarso Genro, no artigo que escreveu para a Edição Especial do Diário do Comércio do dia 28 de janeiro, foi ainda mais explícito do que o vídeo do III Congresso do PT ( http://www.youtube.com/watch?v=VNPjm0qfByc ).

Ele disse, entre outras coisas:

Primeiro: que antes mesmo da total ocupação dos poderes de Estado pelos comunistas, é possível começar a construção do socialismo. Quer dizer que já começou.

Segundo: que não é preciso destruir o Estado para depois “instaurar” o socialismo, mas é possível gerar o socialismo desde dentro do Estado existente – o que é precisamente o que está sendo feito.

Terceiro: que não há contradição entre reforma e revolução. Quer dizer que a estratégia gradual e reformista presentemente em curso de implementação não exclui o emprego possível de meios revolucionários como os usados na Venezuela, em Cuba ou no Camboja. Ao contrário, reforma e revolução devem converter-se incessantemente uma na outra, como aliás já está acontecendo. A articulação entre o PT e as Farc é a maior prova disso, assim como a colaboração frutífera entre a luta parlamentar e as invasões de fazendas.

Quando, depois disso, o sr. Genro afirma que socialismo e democracia são perfeitamente compatíveis, é claro que dá à palavra “democracia” a acepção gramsciana da livre concorrência entre os partidos de esquerda, excluídos todos os demais. E quando o próprio sr. presidente da República declara que o DEM é um partido “sem perspectiva de poder” o que ele quer dizer é que a democracia gramsciana já está em pleno vigor. Os companheiros do sr. Genro e do sr. Lula entendem perfeitamente bem o que eles estão dizendo. Seus adversários e vítimas potenciais é que têm medo de entendê-los. Preferem fingir que eles estão dizendo outra coisa. Fingem tão bem que acabam acreditando que a democracia gramsciana é democracia tout court , que o socialismo petista é apenas força de expressão.

Raros empreendimentos de manipulação psicológica ao longo da História foram tão bem sucedidos quanto a dessensibilização da “direita” brasileira para o perigo do socialismo petista. Praticamente não há, entre os partidos ditos de oposição, quem não creia que na pior das hipóteses a divergência entre capitalismo e socialismo é uma questão acadêmica que pode ser resolvida educadamente num debate pacífico entre pessoas de bem. A esquerda procura justamente manter os idiotas nessa ilusão, paramentando-se com todas as aparências de civilidade e legalismo, ao mesmo tempo que se prepara para a liquidação física dos adversários mediante o acúmulo de um poder armado considerável, no qual se inclui a colaboração estreita entre o MST, as Farc, o Comando Vermelho e o PCC. O outro lado não se prepara nem mesmo para fugir.

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano