Votem no Chuchu

Olavo de Carvalho

Zero Hora, 6 de agosto de 2006

Não poderei votar nas próximas eleições. A Embaixada encerrou em maio o cadastro de brasileiros residentes nos EUA, e eu fiquei de fora. Mas isso me deixa ainda mais livre para aconselhar a meus concidadãos: Votem no Chuchu. Ele não é assassino, não é ladrão, não é narcotraficante nem parceiro de narcotraficantes, não é mentiroso, não é comunista nem pró-comunista, não é terrorista na ativa nem aposentado. Há pouquíssimos petistas dos quais se possa dizer tudo isso ao mesmo tempo, e Lula não é um deles.

O candidato anti-Chuchu é parceiro político das Farc, colaborador da subversão comunista e mentiroso pego em flagrante inúmeras vezes, a começar por aquele documentário no qual, entre amigos, ele confessou que falsificava as estatísticas de pobreza para enganar os eleitores. Mais tarde, também num círculo discreto, admitiu que governava o Brasil em parceria secreta com estrangeiros e que ajudou Hugo Chávez, por baixo do pano, no referendo venezuelano de 2003. Só essas declarações já bastam para provar, acima de qualquer possibilidade de dúvida, que é um tipo amoral, maquiavelista cínico, indigno de confiança.

Que, com essa conduta, ele ainda se dissesse apto a comungar sem confessar por ser isento de pecados, mostra que ele não tem a menor idéia da sua condição moral: é um caso de inocência perversa nitidamente sociopática.

Segundo seu ex-assessor Ricardo Kotscho, é também tão ladrão e mensaleiro quanto os outros.

Se recebeu ou não cinco milhões de dólares das Farc, é coisa que se discute; mas é certo que seu governo concedeu ilegalmente asilo político ao autodeclarado portador do dinheiro, o que só pode ser compreendido como retribuição de favor ou como generosidade arbitrária praticada em prejuízo das leis.

Qualquer que seja o caso, é indiscutível que ele fundou e presidiu o Foro de São Paulo, oficializando a promiscuidade entre partidos legais e organizações criminosas.

Se contra ele se apresentasse candidato um frentista de posto de gasolina, inexperiente, analfabeto e mongolóide, mas honesto e sincero, já seria mil vezes mais digno do nosso voto do que ele. Pois bem, Geraldo Alckmin-Chuchu não é mongolóide, nem analfabeto, nem inexperiente. Não sei se algum dia foi frentista de posto. Mas sei que só não voto nele porque a Embaixada não me deixa.

Votar nele, no entanto, não basta. Se vitorioso, ele não terá militância para apoiá-lo nas ruas contra as organizações multimilionárias que detêm o monopólio das manifestações públicas. Não terá dinheiro para pagar oitocentas consciências de jornalistas como a CUT pagou. Não terá um MST para sair botando fogo em plantações cada vez que ele for contrariado. Não terá uma rede internacional de ONGs para beatificá-lo. E vai governar com uma máquina administrativa dominada por petistas ansiosos para destruí-lo, talvez com a cama-de-gato da nova constituinte armada para eternizar no poder o petismo sem Lula. Para enfrentar tudo isso sem fraquejar, ele precisará do apoio contínuo de seus eleitores e, é claro, de uma coragem incomum. Ser presidente do Brasil depois de Lula significará ter de escolher entre a acomodação ridícula e a luta heróica. Votem no Chuchu – e obriguem-no a escolher a coisa certa.

Comments

comments

shadow-ornament

Veja todos os arquivos por ano