Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

 

 

 

 

 

 

Resposta a Carlos Nougué

Olavo de Carvalho
17 de julho de 2011

“Se, porém, eles pelas obras profanam a fé e não se escondem,
cobertos de vergonha, debaixo da terra, por que se irritam contra nós,
que condenamos com palavras o que eles manifestam com ações?”

(São João Crisóstomo)

1. Abomináveis palavrões (1) 1

2. Abomináveis palavrões (2) 5

3. Adversário filosófico? 5

4. Impropérios 5

5. Proposta de debate (1) 6

6. Proposta de debate (2) 7

7. Proposta de debate (3) 8

8. Repetidor do Magistério (1) 10

9. Repetidor do Magistério (2) 10


1. Abomináveis palavrões (1)

Antes de tudo, não posso deixar de dizer-lhe publicamente que a maneira como você tratou a Sidney Silveira, ofendendo-o com os mais abomináveis palavrões, não se faz com um pai de família nem é digna de um homem que se diz filósofo.

A referência ao estatuto de “pai de família” do Sr. Silveira é descabida e só entra aí como apelo emocional kitsch: o homem não foi criticado enquanto pai de seus filhos ou esposo da sua digníssima. Ademais, sou eu mesmo pai e avô de família até mais numerosa que a dele, o que não o inibiu de espalhar contra mim, não uma, mas sucessivas insinuações pérfidas e difamatórias, indignas, já não digo de um filósofo – coisa que ele nunca foi –, mas de qualquer cidadão comum honrado e cumpridor das leis, mesmo solteiro e sem família.

Desde muito antes deste episódio o Sr. Silveira já vinha fazendo intrigas a meu respeito, procurando por todos os meios indispor contra mim o público católico. Um de meus alunos publicou no Orkut uma breve antologia dessas insinuações perversas, mal camufladas sob a aparência caricatural de elevadíssimas discussões doutrinais. Não preciso, portanto, repeti-las aqui.

A persistência obstinada dessas investidas mostrava que não eram efusões ocasionais e espontâneas, mas lances de uma campanha sistemática, deliberada, firmemente disposta a não cessar enquanto não conseguisse tornar minha imagem odiosa e suspeita aos fiéis e à hierarquia da Igreja. No curso dessa guerrinha malévola e sem razão, fui acusado, entre outras coisas, de heresia e de satanismo, e por fim atirado ao inferno sem remissão como autor de pecado contra o Espírito Santo – aquele que não será perdoado nem nesta vida nem na próxima.

Tudo meticulosamente calculado para que um fiel católico, ao ler essas coisas sem me conhecer muito bem, sentisse a urgente conveniência de manter distância de mim e confiar-se, em vez disso, ao magistério de Sidney Silveira e Carlos Nougué.

Todas essas provocações agüentei quieto. Cheguei, no máximo, a mencionar uma delas, de passagem, num artigo em que respondia a vários mexeriqueiros da mesma espécie:

“Outro, ainda, sem medir o grotesco do que fazia, macaqueava a estrutura dialética das quaestiones disputatae medievais para discutir, com ares de Sto. Tomás na sua cátedra de Paris, esta questão transcendente: ‘É lícito ao filósofo usar palavras de baixo calão?’ – concluindo, evidentemente, pela negativa, e deixando inculcada nos seus devotos discípulos imaginários a impressão enganosa de que o filósofo referido usara aquelas palavras em demonstrações filosóficas, como substitutivos da argumentação racional, e não apenas num programa informal de rádio destinado a responder e-mails e comentar, por alto, as notícias da semana...”[1]

Como qualquer leitor inteligente percebe à primeira vista, é apenas uma anotação vagamente irônica, não um protesto. Muito menos um revide.

Isso foi o máximo que o sr. Silveira ouviu de mim ao longo de toda a série de insinuações ora mais, ora menos veladas que foi despejando sobre a minha pessoa ao longo de muitos meses.

Ele não pode alegar que sou impulsivo ao reagir, nem pronto a desferir socos e pontapés à mais leve provocação.

Só perdi a paciência quando ele, encorajado pelo meu longo silêncio, partiu das meras indiretas à falsificação ostensiva de um texto meu, para dar ares de coisa anticatólica a algo que eu escrevera contra inimigos da Igreja.[2]

Aí seus propósitos de intrigante malicioso já não podiam mais ser ocultados, ao menos aos olhos de quem houvesse compreendido as suas anteriores performances. Aos demais, no entanto, aquele artigo difamatório, meticulosamente fabricado para jogar contra mim a opinião católica inteira de uma só vez, podia parecer à primeira vista não conter nada mais que a elegante e polidíssima correção de um erro doutrinário.

Quando um intrigante astuto faz uso da língua dupla, cavando um abismo de distância enganosa entre o conteúdo peçonhento e o tom de urbanidade respeitosa (quando não de piedade devota), ele coloca sua vítima na difícil contingência de não poder responder ao conteúdo sem romper com o tom, expondo-se assim à pecha de impolido e truculento, nem conservar o tom sem amortecer a virulência do conteúdo, tornando-se assim cúmplice de seu acusador.

A dose de malícia e perversidade necessária para que alguém se dedique a montar esse gênero de armadilha é tamanha, que dispensa explicações. Tudo o que há para dizer a respeito a Bíblia já resumiu em duas palavras: Bilingüis maledictus – “maldito o homem de duas línguas”.

Quem leia a série inteira dos artigos consagrados por ele à demolição da minha imagem notará que essa tensão entre o conteúdo e o tom não é exclusiva de um deles, mas a regra geral e constante do “estilo” – chamemo-lo assim – do Sr. Silveira. Ele não age assim por deliberação malévola, consciente de montar uma arapuca para colocar sua vítima em posição comprometedora. Ele age assim com naturalidade, com inocência até, sem a menor consciência de que pratica o mal. Ele age assim porque ele é assim, porque tal é a sua maneira de ser, a sua personalidade – a personalidade de um santarrão que, ao deleitar-se na falsificação e na calúnia, acredita piamente praticar as mais elevadas virtudes cristãs.

Há uma diferença enorme, na escala de gravidade, entre quem comete um crime isolado, mediante premeditação explícita, e o criminoso habitual que os comete às pencas, sem premeditação nenhuma, com a espontaneidade de quem respira. No primeiro caso, o delito pode ser uma exceção no curso de uma vida que, fora isso, permanece honrada e limpa. No segundo, o sujeito é uma alma estruturalmente deformada, para a qual o estado de crime se tornou uma segunda natureza. O primeiro, por saber que delinqüiu, pode sentir vergonha e ter medo da danação. O segundo, com a consciência mais tranqüila do mundo, pode tornar-se até professor de moral e porta-voz do Magistério sagrado.

É este precisamente o caso do Sr. Sidney Silveira. O tom de pureza santa com que ele fala contrasta de tal maneira com a sujeira de seus atos, que a hipótese da premeditação pontual tem de ser excluída in limine, cedendo lugar à de uma alma dividida em partes estanques, que não se enxerga, que não compreende o que faz, que não tem a mínima condição de julgar seus motivos nem de orientar seus atos.

Que uma personalidade assim tosca e mal formada seja a de um professor de moral e religião, eis aí um sintoma, dentre tantos outros, do estado de alienação, de inconsciência geral que se apossou da sociedade brasileira desde há alguns anos.

Seus ataques imotivados à minha pessoa tornavam-se ainda mais graves por não ser iniciativas isoladas, mas virem em convergência com outras iniciativas do mesmo teor, provenientes de diversos grupos empenhados em revestir-se da aura de defensores da fé para mais facilmente poderem delinqüir em nome da Igreja. Sobre algumas dessas escrevi em 20 de novembro de 2009:

“Não vejo por que me defender de acusações tão francamente imbecis e mal intencionadas. Quem quiser acreditar nelas só fará dano a si mesmo. O único ponto que interessa ressaltar – por ser um fenômeno sociológico de certa importância – é que cada um daqueles que as emitem jura não ter-me ofendido jamais e, ao menor revide da minha parte, sai chorando que foi difamado, atacado, vilipendiado etc. etc. Isso é uma regra geral absolutamente infalível em todos os casos.”[3]

O Sr. Sidney Silveira, como você pode ver, não constitui exceção. A única diferença é que ele não se contenta em verter suas próprias lágrimas de autopiedade, mas ainda toma emprestadas as de seu acólito Carlos Nougué.


2. Abomináveis palavrões (2)

Quanto a essa sua afetação de escândalo sacrossanto ante palavrões de uso comum que eu mesmo já ouvi da sua própria boca (você deve se lembrar da sua versão aliás genial do título do livro do ator Sérgio Brito, “No Palco dos Outros”, como “Pau no Cu dos Outros”), já estava respondida de antemão num post do Adversus Haereses, escrito por alguém que não conheço e que é totalmente alheio à presente altercação. Leia e tente aprender alguma coisa: http://advhaereses.blogspot.com/2010/09/xingando-com-os-santos.html.


3. Adversário filosófico?

Alguém seria capaz de imaginar, já não se diga um Santo Agostinho ou um Santo Tomás de Aquino, e nem sequer um Sócrates, um Platão, um Aristóteles, mas um Kant ou um Husserl ofendendo a mãe e a honra de um adversário filosófico seu?

“Adversário filosófico”? Cadê? Não estou vendo nenhum. Só vejo um criminoso, um bandidinho, praticante obstinado da difamação e da calúnia, que deveria ser respondido mediante um processo judicial e considerar-se um afortunado por ter recebido, em vez disso, apenas uns palavrões mais que merecidos.

Foi a esse tipo de gente que S. José Maria Escrivá de Balagüer se referiu ao dizer que, contra ela, não restava outra saída senão recorrer ao que ele chamava “o apostolado dos palavrões”, oferecendo-se, ademais, para ensinar alguns a quem não os conhecesse em número e potencial ofensivo suficientes. Convém lembrar, aliás, que os palavrões espanhóis são bem mais ferinos, mais agressivos que os brasileiros, sempre atenuados pela sua conotação humorística.

Mas S. José Maria, com toda a evidência, é apenas um “santo boca suja”, indigno de figurar nas páginas de Contra Impugnantes.


4. Impropérios

Um milhão de impropérios, Olavo, não fazem um silogismo...

E um milhão de insinuações maliciosas não têm o valor e a dignidade de um palavrão bem aplicado.


5. Proposta de debate (1)

Como porém em meio a tais palavrões devemos reconhecer, como quer que seja, um fundo doutrinal seu com respeito ao escrito de Sidney Silveira, venho por meio desta carta aberta fazer-lhe um convite:
Você aceitaria participar comigo de três quaestiones disputatae transmitidas por videoconferência e com direito universal de acesso? Explico-me.
1) A primeira quaestio disputata giraria em torno do seguinte tema: “As relações entre razão e fé e entre filosofia e teologia em Santo Tomás de Aquino”.

Você está realmente decidido a posar de meu “adversário filosófico”. À noite, ou até de dia, com os olhos abertos, deve sonhar que é Sto. Tomás de Aquino pisoteando a cabeça de Averróes.

O debate que você propõe não faz o menor sentido.

Com relação ao primeiro ponto, já expus minha opinião dezenas de vezes. Vou resumi-la aqui:

1. A teologia católica foi, historicamente, a primeira ciência que, fora do domínio estritamente formal, se organizou como um edifício lógico-dedutivo integral, fornecendo assim o modelo para todas as demais ciências, que em vão se esforçam até hoje para copiá-lo. É verdade que para isso ela contou com o aporte do precedente aristotélico, mas Aristóteles, pelo próprio caráter fragmentário dos seus escritos, antes sugeriu essa possibilidade do que a realizou materialmente, cabendo este mérito, sem sombra de dúvida, à teologia católica.

2. Portanto, essa teologia não pode ser vista como uma tentativa de “conciliar” a fé com uma razão científica que até então não existia e que ela própria estava criando no ato mesmo de constituir-se. Entender a obra dos autores das Sumas medievais como esforços no sentido dessa conciliação é projetar sobre ela, retroativamente, uma visão extemporânea.

3. Uma vez compreendida a identidade de suas estruturas lógico-formais, a única diferença substantiva que pode restar entre a teologia e as demais ciências, sob o ponto de vista da sua respectiva cientificidade, é que a teologia aceita entre suas premissas os dados da fé, enquanto as demais ciências aceitam somente os dados dos sentidos confirmados experimentalmente. Mas essa diferença é antes um estereótipo midiático do que um fato da realidade. De um lado, a função dos dados da fé no edifício teológico resume-se à da confiabilidade do testemunho – o testemunho dos evangelistas, dos Apóstolos e do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo. De outro, não existe nenhuma “demonstração experimental” que também não se baseie, em última análise, em testemunhos convencionalmente admitidos como confiáveis – o testemunho das máquinas e equipamentos, do técnico que os manipula e de toda uma complexa cadeia de transmissão que inclui até mesmo a variável da subjetividade pessoal. Passou o tempo em que se imaginava o “fato científico” como a própria voz da realidade. Hoje sabe-se, e a nenhum teórico da ciência com um mínimo de idoneidade ocorreria negá-lo, que a “experiência científica” é apenas um elemento ou aspecto da formação do testemunho, e não há nenhuma, absolutamente nenhuma razão para supor que o testemunho de profissionais envolvidos numa constante disputa de posições, verbas e prestígios seja, a priori, mais confiável que o dos autores e personagens dos quatro Evangelhos. Nesse sentido, a diferença de credibilidade entre a teologia e as demais ciências se reduz a zero.

4. Assim sendo, o confronto de “fé” e “razão” é menos um debate proveitoso do que um equívoco retroativo nascido da concepção kantiana, inteiramente gratuita aliás, da fé como ato arbitrário da vontade.

Se você tem alguma objeção séria ao que acabo de dizer, escreva-a e verificarei se há nela substância que baste para alimentar um debate. Se não tem, vamos debater o quê, hein?


6. Proposta de debate (2)

2) A segunda quaestio disputata giraria em torno do seguinte tema: “Segundo a doutrina de Santo Tomás de Aquino, deve um teólogo-filósofo católico invocar o magistério da Igreja?”.
Este ponto não é de maneira alguma uma quaestio disputata. Ninguém discute se o filósofo católico deve ou não invocar o Magistério. É claro que deve. E desde os tempos de Sto. Tomás já está estabelecido que, caso esteja argumentando apenas como filósofo e não como teólogo, não deve invocá-lo como prova e sim apenas como elemento auxiliar de esclarecimento, mas nada impede e tudo ordena que deva fazê-lo ao falar como pregador, apologista e exegeta.

Não vejo onde poderia se introduzir, aí, uma divergência capaz de dar margem a um debate.

Ao propor esse debate, só o que você faz é ocultar, sob o manto de uma divergência doutrinal tão nobre quanto inexistente, o verdadeiro ponto em questão. O que estou contestando não é que o filósofo ou quem quer que seja deva ou possa “invocar o Magistério”. O que contesto é que invocar o Magistério seja tão bom quanto usá-lo como pretexto para a prática de um crime.

Desviar o debate para uma questão geral de princípio é um expediente muito safado para camuflar o mau uso do princípio. Essa é aliás outra característica do modus pensandi não só do Sr. Silveira, mas do seu. Atendo-se às discussões gerais e de princípio, esquivam-se do exame das finalidades concretas com que o fazem.

Mutatis mutandis, é como se um delinqüente, perguntando se deve usar um crucifixo, visse na resposta positiva uma autorização para usá-lo como gazua para arrombar portas.


7. Proposta de debate (3)

3) E a terceira quaestio disputata giraria em torno do seguinte tema: “É possível conciliar a doutrina ético-política de Santo Tomás com o liberalismo e a democracia liberal?”.

Neste ponto seria talvez possível um debate, mas não com quem começa por confundir os termos da questão. Você se refere à democracia liberal como modelo abstrato, tal como concebido por John Locke e similares, ou às democracias liberais reais, historicamente existentes, nascidas não da imitação servil de um modelo e sim de circunstâncias histórico-sociais complexas, praticamente incontroláveis? No primeiro caso, não há o que debater: a resposta é obviamente “Não”, com a ressalva de que esse modelo, por definição, inclui espaço para a luta pelas concepções tomistas e portanto para a modificação possível da democracia liberal num sentido adequado à doutrina de Sto. Tomás. No segundo caso, a pergunta é imbecil, porque não se pergunta se uma coisa é compatível com as condições da sua subsistência. Desde o advento dos modernos regimes totalitários, a Igreja buscou abrigo sob as asas das democracias liberais e só graças à proteção destas últimas pôde subsistir e prosperar ao longo de todo o século XX.[4] E quando digo “a Igreja”, incluo aí a totalidade dos estudiosos do tomismo. Não consigo imaginar Garrigou-Lagrange ou Joseph Maréchal lecionando em Moscou sob Stalin ou em Havana sob Fidel Castro. Desse estado de coisas, puro dado empírico surgido de circunstâncias históricas, nasceu ex post facto, e quase espontaneamente, a tentação de “conciliar” tomismo e democracia liberal no plano doutrinário mediante remendos maritainianos. Embora reconheça nesses arranjos alguma utilidade política, ao menos no sentido de poupar à Igreja a acusação de ingrata e autocontraditória (por viver da compatibilidade prática com aquilo que ela mesma havia declarado incompatível na doutrina), eu seria o último a desejar defendê-los em teoria, que é precisamente o que você pretende que eu faça nesse seu “debate”.

Como as três questões sugeridas são extemporâneas e despropositadas, é evidente que o seu convite não tem outra finalidade senão dar ares de alta divergência teológica àquilo que não passa, em substância, do confronto moral, se não judicial, entre vítima e difamador.

Note, por favor, que nas observações com que respondi ao Sr. Silveira não levantei nenhuma objeção de ordem teológica ou filosófica; apenas denunciei a falsificação patente que ele fizera de um texto meu. É uma questão de fato, não de doutrina. Como é fato vergonhoso, torna-se bem compreensível que o Sr. Silveira e seu paladino estejam ansiosos para fugir de tão desagradável assunto para as alturas do debate doutrinal, exatamente como um ladrão que, pego em flagrante, tentasse camuflar o vexame provocando uma discussão erudita de Direito Penal.

Um debate não serve de nada se não parte de divergências sinceras, pertinentes e arraigadas na situação real. Fora disso, é puro teatro.

Quer ver como se monta um espetáculo nesse teatro? É simples. Pegue um sujeito que mencionou por alto algumas vantagens parciais e transitórias da democracia liberal, vista nele a camiseta de doutrinário do liberalismo (até mesmo sem distinguir entre o liberalismo como fórmula política e o liberalismo teológico já condenado como heresia), e convide o sujeito para um debate onde ele apareça como defensor de idéias que não tem. Aí você surgirá, no momento culminante, como porta-voz do Magistério e destruidor de heresias. Aplausos gerais. Pano.


8. Repetidor do Magistério (1)

Antes porém de terminar esta carta, quero frisar dois pontos:
a) Não sou teólogo nem filósofo, mas mero e pequeno repetidor do magistério infalível da Igreja e de Santo Tomás de Aquino e seus auxiliares.

E quem jamais pensou que você fosse filósofo, teólogo ou coisa assim? A espécie humana, que eu saiba, está informadíssima de que você é um professor de português e blogueiro, se tanto. O aviso, portanto, tomado na sua intenção aparente, é desnecessário e inútil.

Lido, porém, com mais atenção, revela uma utilidade mais profunda, insensível à primeira vista.

Se você fosse apenas um filósofo ou mesmo um teólogo, suas palavras expressariam meras opiniões pessoais, mais escoradas ou menos escoradas em fundamentos racionais e na doutrina da fé, mas nunca portadoras de qualquer autoridade superior à razão humana.

Como “mero repetidor do Magistério infalível”, você se torna automaticamente o representante, a personificação mesma da infalibilidade. Discordar da sua pessoa, nessas circunstâncias, só pode ser heresia, satanismo ou mesmo pecado contra o Espírito Santo.

Como a proposta de um debate afirma desde logo a existência de uma discordância, eu já entraria nele ostentando na testa esses rótulos ou outros piores ainda, se os há.

Você há de compreender que eu sinta uma certa inibição de discutir com Deus.

A afetação de humildade com que o seu aviso se apresenta é apenas a camuflagem de uma presunção demencial.


9. Repetidor do Magistério (2)

Mas que faz, exatamente, um “repetidor do Magistério”? Repete, literalmente ou por paráfrases, o que já foi dito. Qualquer um pode fazer isso. Um computador faz isso muito bem, principalmente se tem uma conexão com a internet e uma impressora.

Jesus, salvo engano, não ordenou que “repetissem” os seus Mandamentos, mas que os cumprissem. Não é algo que se possa fazer na esfera abstrata das afirmações gerais. Cumprir os mandamentos é imitar Jesus no campo das ações reais, das situações concretas e particulares. Não se pode compreender nenhuma situação concreta por mera dedução das regras gerais. Ao contrário, para saber qual regra aplicar, e como, você precisa já ter compreendido a situação concreta antes disso.

Não há limites para a quantidade de conhecimentos que podem ser necessários para a compreensão de qualquer situação concreta. Você pode extraí-los do senso comum, da experiência pessoal, da cultura literária e histórica, da psicologia, do Direito, da filosofia ou da teologia.

Não é como puro “repetidor do magistério” que você pode compreender qualquer situação concreta. É como homem – no sentido de uma alma formada pela totalidade das influências culturais absorvidas e organizadas numa síntese pessoal. Ora, pensar como homem, mas fazê-lo com pleno senso de responsabilidade, é precisamente o que se denomina “filosofar”.

Como não é possível filosofar sem incerteza, sem um senso atemorizante da falibilidade humana, é compreensível que algumas mentes covardes se recusem a fazê-lo e prefiram refugiar-se na segurança absoluta de “repetidoras do Magistério infalível”.

Na medida, porém, em que o Magistério se compõe de afirmações gerais que não podem substituir a compreensão das situações concretas, mas antes a requerem como condição prévia da sua aplicabilidade, o resultado é que o puro “repetidor do Magistério” se exime da responsabilidade de examinar a situação concreta antes de emitir sobre ela julgamentos que permanecerão tão infalíveis quanto deslocados e impróprios.

Dito de outro modo: o “repetidor do Magistério” dá aos fatos uma interpretação qualquer, impulsiva e irrefetida, e em seguida sai desferindo condenações e anátemas com a infalibilidade da doutrina eterna.

Em suma: o “repetidor do Magistério” está livre para fugir da realidade e buscar abrigo num reino etéreo de idéias gerais. Para mentir e dar à mentira o prestígio e a autoridade do ensinamento magisterial.

É exatamente isso o que você faz nesta sua “resposta”, ao dar a aparência de ataque despropositado e gratuito ao que foi, na realidade, a reação tardia, moderada e justa a uma longa e persistente campanha de intrigas e difamações.

Uma vez tomada como verdadeira a priori e sem o mais mínimo exame essa versão dos fatos, você está livre para tecer em torno dela as mais lindas considerações doutrinais, sempre no tom modestíssimo, humilíssimo, da infalibilidade divina.

É o mesmo procedimento usado pelo Sr. Sidney Silveira na sua ridícula “Resposta em tom de sermo vulgaris”, onde, fazendo de conta que ignora tudo o que andou dizendo e escrevendo contra mim desde muitos meses sem jamais ser respondido ou repreendido por isso, se apresenta como vítima inocente de um ataque verbal repentino, imotivado e sumamente pecaminoso.

Você vai até um pouco além: aproveita a ocasião para promover-se ao estatuto de adversário intelectual do Olavo de Carvalho – sonho dourado de tantos tagarelas idiotas neste país! –, desafiando-o para um debate que, como é bem do seu estilo, foge ao contato com a situação real e sai voando para a esfera sublime das puras questões doutrinais.

Não, Nougué, não quero participar do seu teatrinho, não quero ajudar você a posar de Sto. Tomás pisoteando Averróes, pela simples razão de que Tomás nunca mentiu contra Averróes nem o difamou.

Se você quer um debate, o tema deveria ser: “É justo, na doutrina tomista, o defensor da fé mentir, e mentir mentir nem mesmo contra um inimigo da Igreja e sim contra alguém cujo maior pecado foi defender a fé com mais eficiência do que ele, pregando, ensinando e convertendo, ainda que nem sempre o fizesse (concedo ad argumentandum) pelos meios convencionais e admitidos do magistério eclesial?”

b) Como sei de seu hábito de vituperar com impropérios, digo desde já: não responderei a eles, de modo algum. Se há algo que aborreço, são os bate-bocas, que geralmente não servem senão para inflar a soberba e provocar a má ira do homem. Ademais, dizia Santo Agostinho que, para pecadores como nós, todo sofrimento é justo. Pois bem, acrescento: se não posso deixar de defender, como fiz aqui, a honra de um pai de família e amigo como Sidney Silveira, saiba que, quanto à minha pessoa, toda e qualquer ofensa de sua parte a considerarei justa. Afinal, não devemos todos oferecer nossas miúdas humilhações Àquele que sofreu por nós as mais graves injúrias?
Oooooh, não exagere, não seja tão rigoroso consigo mesmo! Assim as pessoas vão até pensar que você é santo. Ponha um pouco de brandura nisso, ame a si próprio o suficiente para poder amar seus semelhantes ao menos um pouquinho.

Exageros teatrais à parte, o fato é que você não merece todos os xingamentos. Nunca o chamei, por exemplo, de veado, pois isso o colocaria numa situação deprimente e injusta: se você fosse veado, feio como é, teria de viver num estado de privação erótica deplorável, sendo os homossexuais, segundo dizem, hipersensíveis ao fator estético, do qual as mulheres, para sua sorte, às vezes prescindem na escolha de seus parceiros. Não, Nougué, você não é veado. Como no título que você inventou para o livro do Sérgio Brito, você só traz dano ao traseiro dos outros, não ao seu próprio, e aliás não o faz por meios genitais e sim bloguísticos.

Também não o chamei de filho da puta, pois, se sua mãe exercesse esse ofício, você apelaria à desculpa de ter sido criado num bordel e não ser, portanto, culpado de ter uma consciência moral deformada. Definitivamente, você não é um filho da puta. É o safadíssimo filho de uma senhora respeitável e gentil, da qual bem me lembro, que Deus a tenha.

Não precisa mesmo responder. Não há resposta para o óbvio.

Richmond, 17 de julho de 2011

_________________

Notas:

[1] V. http://www.olavodecarvalho.org/textos/091120tanquerey.html. O trecho referia-se aos artigos “Filósofo boca-suja?” (http://contraimpugnantes.blogspot.com/2009/09/filosofo-boca-suja.html) e “Ainda o filósofo boca-suja” (http://contraimpugnantes.blogspot.com/2009/09/ainda-sobre-o-filosofo-boca-suja.html). Note-se que, ao retornar ao assunto neste segundo texto, o autor nem em sonhos tentava retificar a falsa impressão de que o filósofo acusado usara de palavrões contra “adversários filosóficos” e não contra políticos ladrões, líderes genocidas, seqüestradores, traficantes de drogas e tipos similares, que são os alvos costumeiros das minhas investidas radiofônicas. Fazendo-se novamente de humilde servidor da Igreja, reincidia na difamação com os ares mais inocentes do mundo. Também aí nada respondi, esperando que o episódio não voltasse a repetir-se, poupando-me assim o enfrentamento público com alguém que, malgrado tudo, era um católico. [voltar]

[2] Diga ele o que disser, não há desculpa para quem, ao ler uma crítica a algo chamado “neotomismo”, tente dar a impressão de que a crítica se refere a autores que viveram dois, três ou sete séculos antes da eclosão desse movimento. Foi mediante esse truque sórdido, impossível de ser praticado por erro inocente, que o Sr. Silveira, para me tornar abominável aos olhos da Igreja, tentou fazer de mim um inimigo de todos filósofos tomistas. Se isso não é difamação, a palavra “difamação” mudou de sentido. [voltar]

[3] Id. [voltar]

[4] Os casos da Espanha e de Portugal sob Salazar e Franco merecem um estudo em separado, mas aí a pergunta teria de ser: “É possível conciliar as doutrinas de Sto. Tomás com o fascismo?” [voltar]


Bookmark and Share

Comente este artigo no fórum:

http://www.seminariodefilosofia.org/forum/15