Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

 

 

 

 

 

 

A apoteose da prepotência mental

Olavo de Carvalho
Dirio do Comrcio, 1 de setembro de 2011

Tal como previ anos atrás – sendo por isso chamado de paranóico pela milésima vez –, a Associação Psiquiátrica Americana, atendendo à ruidosa exigência de grupos de pressão, já está estudando seriamente a possibilidade de eliminar a pedofilia da sua lista de doenças mentais, como fez em 1973 com o homossexualismo (v. http://dailycaller.com/2011/08/15/conference-aims-to-normalize-pedophilia/?print=1). Normalizada e legitimada pela “ciência”, aquela conduta sexual especialmente abjeta será protegida pelas leis: quem quer que ouse erguer a voz contra ela será acusado de “discurso de ódio”, exatamente como hoje acontece com aqueles que, sem nem mesmo condenar a prática homossexual em si, digam algo contra o movimento gay. O professor que tenha relações sexuais com um aluno de oito, dez ou doze anos na escola estará garantido pelo Estado, e os pais que se rebelarem contra essa brutalidade terão de curtir sua revolta em segredo, sem comentá-la nem mesmo com os vizinhos, por medo de ser denunciados à polícia.

Ao mesmo tempo, a administração Obama, gentilmente secundada pela grande mídia, faz o que pode para impedir que os militantes da Al-Qaeda, do Hamas e de entidades congêneres sejam chamados de “terroristas” e para fomentar, em vez disso, o uso desse termo como qualificativo adequado para os membros do Tea Party e das organizações religiosas conservadoras em geral.

Há várias décadas todos os atentados terroristas do mundo são cometidos por muçulmanos radicais ou por organizações esquerdistas, nenhum por qualquer grupo de conservadores ou cristãos (a tentativa de assim rotular o norueguês Anders Breivik revelou-se uma farsa grotesca). Bem ao contrário, por toda parte os cristãos são vítimas de uma política de extermínio que os elimina à base de cem mil por década, mas isso não vem ao caso. “Terrorista”, segundo a elite obamista, não é quem mata pessoas a granel: é quem vota ou fala contra Barack Hussein Obama, contra o abortismo ou contra o excesso de gastos públicos.

No Egito, um dos líderes elevados ao poder com a ajuda do governo Obama já prega abertamente a matança generalizada de cristãos, mas não há nisso o menor sinal de uma política de terror: terror é sugerir, mesmo por hipótese, que o atual presidente americano se elegeu com documentos falsos ou que ele tenha algum interesse em comum com os inimigos do seu país.

Dentro de alguns anos, a opinião pública terá se habituado aos novos sentidos das palavras, ao ponto de não conseguir mais conceber um ataque terrorista senão sob a forma de pregação bíblica com sotaque Redneck.

Para maior glória da reforma semântica, a chefe da Homeland Security, Janet Napolitano, divulgou recentemente a nova descrição oficial do terrorista típico. Qual a raça do cidadão? “Caucasian”. É o branco de origem européia. Isso exclui os árabes in limine. Claro, quem não sabe? As hostes do Hamas e da Al-Qaeda compõem-se eminentemente de loiros de olhos azuis. Só um maldito racista ousaria pensar que não. O desafio satírico de Groucho Marx – “Afinal, você vai acreditar em mim ou nos seus próprios olhos?” – tornou-se política oficial.

Será ainda possível continuar não enxergando por trás dessa confluência de iniciativas uma estratégia geral de mutação psicológica das massas, a mais ambiciosa, prepotente e louca de todos os tempos?


Bookmark and Share

Comente este artigo no fórum:

http://www.seminariodefilosofia.org/forum/15