Sapientiam Autem Non Vincit Malitia - Foto da águia: Donald Mathis Mande um e-mail para o Olavo Links Textos Informações Página principal

 

 

 

 

 

 

 

Brilhando no Youtube

Olavo de Carvalho
Dirio do Comrcio, 11 de julho de 2011

 

A facilidade, a leviandade, a segurança de si com que todo imbecil se gaba de ter “opiniões próprias”, de ser “independente de ideologias”, de “pensar com a própria cabeça”, etc., é apenas a prova cabal de que a educação pública, do primário à universidade, não transmite aos cidadãozinhos nem uma migalha sequer daquilo que precisariam saber para poder pensar razoavelmente sobre política, moral e assuntos congêneres.

A linguagem é a armadura do pensamento. O que não cabe nela desaparece da memória em poucos segundos, mesmo na hipótese remota de que por momentos tenha sido percebido com clareza. Excetuada a hipótese de que você seja um Holbein, um Velásquez, um Escher, capaz de fixar em imagens uma intuição complexa, os limites da sua capacidade pensante estão rigidamente delimitados pelo seu domínio – ou falta de domínio – da língua falada e principalmente escrita.

Um pensamento pessoal requer, antes de tudo, uma linguagem pessoal. Não há espetáculo mais patético que o de um arremedo de “opinião própria” expressando-se mediante chavões e lugares-comuns da língua geral, confessando, no ato mesmo de proclamar autonomia, a sua total dependência das opiniões correntes, padronizadas, iguais às da platéia do Faustão.

Observo isso na quase totalidade dos sapientíssimos pareceres que circulam no Orkut, no Facebook, no Youtube e numa infinidade de blogs sobre aquilo que seus autores imaginam ser minhas idéias e opiniões.

Meus amigos, almas sádicas e perversas, enviam-me toneladas desse material, sob a desculpa de me fazer rir. Não sabem o trabalho que me dão. Penetrar os meandros da estupidez humana, compreender o modus pensandi de um cretino, é tarefa mais árdua que a de ler Hegel ou Aristóteles. Hegel e Aristóteles, afinal, são filósofos, o que significa que cada linha de seus escritos remete a um núcleo unitário de preocupações, o qual, uma vez apreendido, esclarece todo o resto – até mesmo os trechos ambíguos e incoerentes.

Já o pensamento de um imbecil é o reflexo do seu estado momentâneo, inspirado por coisas que ele ouviu falar mas das quais já não se lembra. Sua mente é um caleidoscópio de estilhaços, expressão fortuita de uma alma dispersa e fragmentária, cuja pouca e frágil unidade vem apenas dos automatismos consagrados que ele, imaginando serem criações suas e originalíssimas, repete com a fidelidade de um copy and paste. Por trás de cada uma dessas “opiniões pessoais” há uma identidade coletiva que permanece inconsciente e, desde as sombras, manipula o infeliz para fazê-lo acreditar que ele é ele mesmo.

Não espanta que, nessas condições, tudo o que o distinto pode fazer consista nestas quatro coisas, juntas ou separadas:

1. Catalogar minhas opiniões na gama paupérrima das classes estereotipadas que ele conhece, as quais, para ele, constituem tudo o que existe.

2. Fazer a lista daquilo que, no entender da criatura, aprovo ou desaprovo. Ser “a favor” ou “contra”, gostar ou desgostar, é, nessa cosmovisão de jurados de TV, a atividade essencial ou única da inteligência humana.

3. Negar uma ou duas frases minhas ditas num programa de rádio e sair proclamando: “Derrotei o Olavo de Carvalho.”

4. Na impossibilidade de realizar qualquer dos três feitos anteriores, ou na eventualidade de não ter obtido com eles o desejado alívio dos maus instintos, resta a hipótese de repetir, com um tremendo sentimento de originalidade, alguma das rotulações postas em circulação cinco ou dez anos atrás por Sebastião Nery, Janer Cristaldo, Mário Augusto Jacobskind, Rodrigo Constantino ou qualquer outro de idêntico valor e estatura. Dirão então que sou vaidoso, arrogante, fanático religioso, boca-suja, filósofo entre aspas, astrólogo enrustido ou coisa assim. Feito isso, encerrarão o assunto voltando-se orgulhosamente para os lados da cozinha e gritando: “Mãe, olha eu no Youtube.”


Bookmark and Share

Comente este artigo no fórum:

http://www.seminariodefilosofia.org/forum/15